sexta-feira, 22 de maio de 2009

OS SEQUESTROS QUE ABALARAM A DITADURA MILITAR

Em 1 de abril de 1964 foi instaurada no Brasil uma ditadura militar que iria perdurar por mais de vinte anos. Durante este período, várias foram as fases e as faces do regime repressor. Recebidos por grandes manifestações favoráveis, com milhares de pessoas acorrendo às marchas de apoio, os militares iniciaram a caça às bruxas. Incitaram o incêndio ao prédio da sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), encerraram organizações sindicais e estudantis, caçaram políticos opositores, expurgaram as alas de esquerda de dentro das forças armadas, acabaram com o voto popular para presidente.
De 1964 a 1968 a luta dos estudantes passou a ser clandestina, ou seja, a UNE fora dissolvida, mas continuava a existir na ilegalidade, assim como vários partidos de esquerda. Havia uma esperança de que a situação política fosse revertida e os militares golpistas voltassem para a caserna. 1968 foi o ano de todos os protestos. Movida pelos movimentos internacionais daquele ano, a resistência à ditadura no Brasil promoveu passeatas e atos públicos de grande repercussão. A esperança apagou-se de vez, em 13 de dezembro de 1968, quando o Congresso foi fechado e o Ato Institucional Nº 5 foi promulgando, minando qualquer possibilidade de diálogo, numa ditadura que se tornou ainda mais repressiva e sanguinária.
As conseqüências do endurecimento do regime militar foram irreversíveis em alguns setores de oposição. Acossados, membros de esquerda, que viram os seus líderes presos e torturados, sem direito a hábeas corpus, passaram a conclamar o fim da contestação pacífica, mergulhando numa contundente resistência guerrilheira. Estava declarada a luta armada no Brasil.
A luta armada gerou os famosos guerrilheiros da esquerda radical. Consistiu em jovens idealistas, a maioria com menos de 25 anos de idade, a pegar em armas, a assaltar bancos e supermercados, obtendo através destas ações, fundos para manter os guerrilheiros, todos a viver na clandestinidade, impossibilitados de trabalhar ou de ter direitos cívicos. Ataques a quartéis militares para a obtenção de armas e munições também fizeram parte da luta armada. Mas os movimentos mais complexos desta luta foram os seqüestros a diplomatas de importantes governos que faziam a representação dos seus países no Brasil.
De 1969 a 1970, quatro grandes seqüestros abalaram a ditadura militar, causando-lhe constrangimento diplomático no cenário internacional e proporcionando uma grande derrota política. O primeiro, realizado em setembro de 1969, foi do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, e o de maior repercussão nacional e internacional. Vieram, em 1970, os seqüestros do cônsul japonês Nobuo Okushi, do embaixador alemão Ehrenfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben e, do embaixador suíço Giovanni Enrico Bucher. Realizados para chamar a atenção internacional do que acontecia no Brasil, os seqüestros aos diplomatas serviram para a troca dos líderes políticos que estavam presos nos calabouços a sofrer torturas, tendo muitos deles perecido, não resistindo às atrocidades. A logística dos seqüestros mostrou a habilidade ofensiva dos grupos armados, mas foi o golpe de misericórdia sobre as suas cabeças, forçando o regime militar a intensificar a perseguição e repressão aos que se opunham à ditadura, agindo de forma violenta, matando, torturando e aniquilando de vez qualquer resistência. Os seqüestro representaram o auge da resistência armada e, também, o seu fim definitivo.

Organização do Primeiro Seqüestro

Em 1969 veio a resposta definitiva do AI-5 sobre os líderes da resistência ao regime militar. Muitos foram presos e torturados. A Operação Bandeirantes (Oban), deflagrada por todos os órgãos repressivos das polícias e das forças armadas, prendia, torturava e desaparecia com aqueles que consideravam subversivos ao regime. Os militares, cada vez mais à vontade no poder, estavam longe de qualquer redenção ou volta à caserna. Esta posição ficou clara quando o então presidente, marechal Artur da Costa e Silva, foi afastado da presidência em 31 de agosto, em conseqüência de uma isquemia que o levaria à morte alguns meses depois. O então vice-presidente, Pedro Aleixo, um civil, foi impedido de assumir a presidência e submetido à prisão domiciliar. Uma junta militar assumiu o poder, até que se elegesse de forma indireta, outro presidente militar.
Foi no cenário desta confusão política que se planejou e executou uma das maiores ações da história recente do Brasil, o seqüestro ao embaixador norte-americano Charles Elbrick. A ação foi desencadeada para acontecer em setembro, durante as comemorações da Semana da Pátria, considerada um ícone do regime autoritário.
Antes de surgir a idéia do seqüestro, Stuart Angel Jones e Cláudio Torres, membros da organização de esquerda Dissidência da Guanabara, nascida das divergências dentro do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que se opunha à luta armada; e Paulo de Tarso Venceslau, da Ação Libertadora Nacional (ALN), a maior organização guerrilheira da época, debateram um plano para libertar os líderes estudantis Vladimir Palmeira, Luís Travassos e José Dirceu, presos desde o fatídico congresso da UNE em Ibiúna, sem direito a hábeas corpus. A ação consistiria em fazer um resgate, promovendo um assalto aos jipes em que os prisioneiros eram conduzidos do Forte de Itaipu, na Praia Grande, litoral paulista, para interrogatórios e audiências na Auditoria Militar da Avenida Brigadeiro Luís Antonio, em São Paulo. O resgate sucederia no primeiro semestre de 1969, acontecendo na subida da Serra do Mar ou na porta da Auditoria. Foi no decurso do plano, que poderia originar uma tragédia, que surgiu a idéia do seqüestro ao embaixador dos Estados Unidos.
O estudante Franklin Martins, da Dissidência da Guanabara, teve a idéia ao passar pela Rua Marques, no bairro do Botafogo, Rio de Janeiro. O estudante observou que todos as manhãs, Charles Elbrick, embaixador norte-americano, fazia aquele trajeto. Diante das evidências, Franklin Martins levou o seu plano aos dirigentes da Dissidência da Guanabara.
A idéia do seqüestro parecia audaciosa e de grande porte para que fosse realizada somente pelos militantes daquela organização. Assim, Cid Benjamin foi enviado a São Paulo, para expor o plano a Joaquim Câmara Ferreira, dirigente da ALN. Joaquim Câmara Ferreira, um dos homens mais procurados pela ditadura militar, levou consigo os companheiros Virgilio Gomes da Silva e Carlos Eduardo Fleury. A aceitação do plano foi imediata. O líder da ALN concordou que a sua organização entraria na audaciosa ação, e que ela serviria como marco de propaganda na Semana da Pátria, para que se consolidasse uma guerrilha de campo.
Unidos em um dos planos mais audaciosos da história da esquerda revolucionária no Brasil, ALN e Dissidência da Guanabara seguiram juntas no empreendimento. Joaquim Câmara Ferreira assumiu o comando político, e coordenaria as negociações com o governo. Virgílio Gomes da Silva teria o comando militar da ação. Aproximadamente um mês depois da decisão do seqüestro, em Setembro, no auge das comemorações da Semana da Pátria, o plano foi posto em prática, abalando o Brasil e ao regime militar, resultando na libertação dos três líderes estudantis que nas confabulações anteriores, seriam resgatados, e de mais doze presos políticos.

O Seqüestro de Charles Elbrick

A operação de seqüestro ao embaixador Charles Elbrick foi desencadeada na manhã do dia 4 de setembro de 1969, numa quinta-feira. Ás nove horas da manhã, um grupo de pessoas tomou, discretamente lugares estratégicos do bairro do Botafogo, iniciando o aparato logístico e militar.
Coube ao guerrilheiro José Sebastião Rios de Moura, ficar de sentinela no Largo dos Leões, inicio da Rua São Clemente e esquina com a Rua Conde de Irajá, e avisar com um sinal – levantar um jornal, quando o Cadillac do embaixador viesse. Do outro lado do Largo, na esquina da Rua Marques com a Rua Humaitá, João Lopes Salgado e Vera Silvia Araújo Magalhães observavam José Sebastião, encostados em um Fusca vermelho grená. Outro Fusca azul fazia a retaguarda, estacionado na Rua Marques, trazendo Cid Benjamin ao volante e Franklin Martins no banco de passageiros. Nas calçadas da Rua Marques, quatro homens cobriam a ação, a pé, sendo dois do lado esquerdo, Cláudio Torres e Paulo de Tarso Venceslau; e dois do lado direito, Manoel Cyrillo de Oliveira Netto e Virgilio Gomes da Silva. Para fechar o esquema, Sérgio Rubens de Araújo Torres estacionou uma Kombi verde, na Rua Vitório Costa, a seis quadras do foco.
Em um sobrado da Rua Barão de Petrópolis, no numero 1026, no Bairro de Santa Tereza, que serviria como cativeiro do seqüestrado, esperavam Joaquim Câmara Ferreira e Fernando Gabeira.
A movimentação dos seqüestradores foi observada por uma moradora, mulher de um militar, que chamou a polícia. Os guardas vieram, mas não encontraram nada que confirmasse às suspeitas da moradora, visto que as placas dos Fuscas, apesar de frias, pertenciam a carros sem problemas de documentação. A polícia vai embora.
Excepcionalmente naquele dia, Elbrick estava atrasado. O seqüestro, planejado para suceder durante a manhã, só iria acontecer à tarde. Só às 14h30 é que o Cadillac 1968, que trazia o embaixador, despontou no local de rotina. Na Rua Marques, foi obrigado a parar pelo Fusca azul, que fingiu uma manobra. O Fusca vermelho, conduzido por Rios, impediu que a limusine saísse de ré. Os quatro companheiros que estavam na calçada tomaram o carro diplomático de assalto. Com um revólver 38 na mão, Paulo de Tarso mobilizou o motorista e o embaixador e, simultaneamente, arrancou os fios do rádio que fazia a comunicação com a segurança da embaixada. Cláudio Torres assumiu a direção do carro. No banco de trás, Virgílio Gomes da Silva e Manoel Cyrillo sentaram-se junto a Elbrick, cada qual de um respectivo lado. Consumado o seqüestro, os três carros avançaram seis quadras, onde estava a Kombi, que naquele momento, assumiu a ponta do comboio.
Os carros pararam, cinco minutos depois, na Rua Maria Eugênia, na esquina com a Rua Caio de Melo Franco. Assustado, pensando que seria morto, Elbrick tomou a arma de Virgílio Gomes da Silva, mas Manoel Cyrillo desferiu-lhe uma coronhada na cabeça, deixando-o aturdido. O embaixador foi transferido para a Kombi, sendo coberto por um tapete. A direção da Kombi passou para as mãos de Cláudio Torres, e Sérgio Rubens de Araújo deixou o grupo, indo embora a pé. A Kombi seguiu com o seqüestrado e os seqüestradores, remanejados em um Fusca bege que ali os aguardava. Para trás ficavam o Fusca azul e o Cadillac. No banco de trás do carro diplomático abandonado, ficaram o motorista de Elbrick, Custódio Abel da Silva, e um manifesto dos seqüestradores.
O manifesto, que exigia a libertação de quinze presos políticos em troca da vida de Charles Elbrick, e a sua publicação na imprensa, cobriria as páginas dos jornais do dia seguinte, 5 de setembro. Os nomes dos quinze presos seriam divulgados posteriormente, na manhã seguinte. O manifesto levava a assinatura da ALN e do Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8), nome que a Dissidência da Guanabara passou a assinar depois da ação de seqüestro do embaixador.

O Fim do Seqüestro

Cinco minutos antes das três horas daquela tarde, Charles Elbrick chegou ao cativeiro, um sobrado de Santa Tereza, sendo recebido por Joaquim Câmara Ferreira e Fernando Gabeira, que ali o esperavam, acompanhados do sindicalista nordestino Antônio de Freitas, o Baiano, que fugindo da repressão, era hóspede dos guerrilheiros, mas que não teve qualquer participação no seqüestro.
No sobrado, o embaixador teve conversas cordiais com os seus algozes, que com ele falaram sem usar máscaras. Do lado de fora, a quarenta metros, o sobrado passou a ser vigiado ainda naquela tarde de 4 de setembro, por uma Rural Willys do Centro de Informações da Marinha (Cenimar), que segundo relatos posteriores, desconfiavam ser aquele o cativeiro do embaixador, mas sem ter certeza.
A ação dos guerrilheiros surpreendeu o regime militar e todo o Brasil. Deixou o governo brasileiro em uma situação diplomática delicada com os Estados Unidos. Para que o seqüestro fosse solucionado, o governo militar foi obrigado a ceder a todas as exigências dos seqüestradores, evitando assim, que algo sucedesse ao embaixador, pondo em risco a sua vida. Uma grande operação ofensiva foi montada, envolvendo mais cinco mil homens das três forças armadas, quatro mil policiais civis e militares, quinhentos agentes dos serviços de informações e trezentas viaturas.
No dia 7 de setembro, no domingo à tarde, começou a operação de libertação do embaixador. Os seqüestradores começaram a abandonar o sobrado de Santa Tereza divididos em grupos. Os últimos que deixaram o cativeiro foram Joaquim Câmara Ferreira e Virgílio Gomes da Silva, levando com eles o embaixador Charles Elbrick . Virgílio e o seqüestrado seguiram para um Fusca branco, parado em frente ao sobrado, ao lado de outro Fusca bege, o mesmo utilizado no dia do seqüestro. Os agentes vigilantes do Cenimar, reconheceram, com surpresa, o embaixador, inconfundível nos seus quase dois metros de altura. Assim, os Fuscas bege e branco partiram, tendo no encalço a Rural Willys dos agentes do Cenimar. O terceiro Fusca, o vermelho, seguiu a Rural sem que os agentes se apercebessem.
Na Rua Estrela, a Rural dos agentes da repressão derrapou. Na Rua Aristides Lobo, o Fusca vermelho encostou junto à Rural. Manoel Cyrillo apontou uma metralhadora para os militares, que covardemente, fugiram assustados, virando na rua seguinte.
Despistados os agentes militares, Charles Elbrick é deixado no Largo da Segunda-Feira, levando de presente dos seqüestradores um livro de poemas de Ho Chi Min, escrito em inglês. Elbrick voltou para a sua casa de táxi. Nos primeiros depoimentos após a sua libertação, surpreendentemente foi simpático aos seqüestradores, descrevendo-os como jovens determinados, inteligentes e fanáticos. O embaixador morreria de pneumonia em seu país, em 1983.

Os Presos Políticos Trocados Pelo Embaixador

Em troca do embaixador, os quinze presos libertados foram: Onofre Pinto, fundador da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), que sofreria uma emboscada no Paraná, entrando para a lista dos desaparecidos da ditadura desde 1974; Luis Travassos, ex-presidente da UNE, morto em um acidente de automóvel em 1982, no Rio de Janeiro; Ricardo Zaratini, do movimento operário, irmão do ator Carlos Zara, envolvido em lideranças partidárias no Brasil pós-ditadura; Rolando Fratti, morto por um câncer em 1991; Vladimir Palmeira, líder estudantil que comandou a Passeata dos Cem Mil em 1968, futuro deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT); José Dirceu de Oliveira e Silva, líder estudantil, preso em Ibiúna, futuro ministro da Casa Civil do governo do presidente Lula; Gregório Bezerra, líder sindical, morto por um câncer em 1983; Ivens Marchetti, arquiteto que viveu na Suécia, militante da Dissidência de Niterói, morto por um câncer em 2002; João Leonardo da Silva Rocha, militante da ALN, morto pela ditadura no interior da Bahia, em 1974; Maria Augusta Carneiro, única mulher da lista, militante da Dissidência da Guanabara, a DI-GB, presa em Ibiúna, futura proprietária de uma escola para deficientes no Rio de Janeiro; Mário Roberto Zanconato, fundador da Corrente Revolucionária ligada a ALN, futuro médico da prefeitura de Diadema, em São Paulo; Ricardo Vilasboas Sá Rego, militante da DI-GB, futuro músico e compositor, que deixou a luta armada para viver na França; José Ibrahim, líder do movimento operário paulista, futuro secretário de relações internacionais da Força Sindical; Agnaldo Pacheco da Silva, militante da ALN; e, Flávio Tavares, jornalista, coordenador do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), colaborador do jornal “O Estado de S. Paulo”. Os quinze prisioneiros deixaram o país em um avião, o Hércules 56, que seguiu para o México, de onde seguiram cada um, para um destino no exílio. Muitos deles retornariam incógnitos para o Brasil, alguns anos depois, continuando a luta na clandestinidade.

Os Seqüestradores de Charles Elbrick

A aparente vitória dos seqüestradores durou pouco. A partir de então a ditadura iniciou uma forte guerra e perseguição aos guerrilheiros, matando e torturando as suas lideranças, decepando todas as organizações que promoveram a luta armada no país. Outra conseqüência foi a pena de morte, adotada através de um ato institucional militar, além da pena do banimento, aplicada a todos os presos que aceitavam ser trocados por embaixadores, fazendo deles pessoas sem pátria e sem nacionalidade. A pena do banimento só perdeu o efeito quando a Lei da Anistia foi promulgada, em 1979, trazendo os exilados de volta ao país.
Quanto aos seqüestradores de Charles Elbrick, muitos foram presos, alguns mortos e torturados pela ditadura. Foram eles:
Virgílio Gomes da Silva – Conhecido como Jonas, Borges e Breno, foi o comandante militar da ação do seqüestro, tendo 36 anos de idade na época. Fez treinamento militar em Cuba, em 1967. Militante da ALN, foi duramente perseguido pelo regime militar logo após o seu envolvimento no seqüestro do embaixador norte-americano. Caiu no dia 29 de setembro de 1969, pouco mais de vinte dias após o desfecho do seqüestro. Não resistiu às sessões de torturas sofridas nas dependências da Oban, morrendo um dia depois da prisão.
Manoel Cyrillo de Oliveira Netto – Com 23 anos na época, foi o segundo comandante militar do seqüestro, sendo um dos que renderam o embaixador. Era vice-comandante do grupo tático armado da ALN em São Paulo. Foi preso no dia 30 de setembro de 1969, permanecendo no cárcere por dez anos.
João Sebastião Rios de Moura – Tinha 22 anos, foi quem deu o sinal de alerta quando o carro do embaixador surgiu na rua do seqüestro. Exilou-se no Chile em 1970, seguindo para a França, de onde só retornou em 1980. Foi morto em Salvador, em 1983, já depois de anistiado, por dois homens que vestiam casacos e chapéus.
Vera Sílvia Araújo de Magalhães – Tinha 21 anos, seduziu o chefe de segurança da casa do embaixador, obtendo informações sobre o seu trajeto diário; deu cobertura na captura. Foi presa em 1970, sendo torturada. Foi trocada pelo embaixador alemão, outro seqüestrado pelos guerrilheiros, partindo para o exílio, só retornando ao Brasil após a Anistia. Morreu em dezembro de 2007.
Joaquim Câmara Ferreira – Tinha 56 anos, coordenando as negociações do seqüestro com o governo, ficando o tempo todo na casa, ao lado de Elbrick. Rompeu com o PCB, integrando o comando da ALN. Sucessor natural de Carlos Marighella, foi preso no dia 24 de outubro de 1970, sendo levado para um sítio na periferia de São Paulo, onde foi torturado até morrer horas depois.
Sérgio Rubens de Araújo – Tinha 21 anos. Foi quem dirigiu a Kombi verde que levou o embaixador para o cativeiro. Tornou-se uns dos diretores do jornal “Hora do Povo”, órgão oficial do desintegrado ideologicamente MR-8 pós-ditadura.
Cláudio Torres da Silva – Tinha 24 anos, dirigiu todos os carros em que o embaixador foi transportado. Foi preso no dia 9 de setembro, dois dias após o desfecho da ação, ficando na prisão até 1977. Sempre evitou falar no seqüestro, considerando o episódio uma página virada da sua vida.
Franklin de Souza Martins – Tinha 21 anos, considerado o autor da idéia do seqüestro, bloqueou o automóvel diplomático, além de dar cobertura contra o carro dos agentes do Cenimar. Deixou o Brasil dois meses depois do seqüestro, indo para Cuba, onde foi treinado em guerrilha. Voltou ao país em 1973. Após a queda da ditadura tornou-se um repórter conceituado, participando do governo do presidente Lula.
Cid de Queiroz Benjamin – Tinha 20 anos, foi quem negociou o seqüestro em São Paulo com os líderes da ALN. Dirigiu o Fusca azul que bloqueou a passagem do carro diplomático e o Fusca que perseguiu e intimidou os agentes do Cenimar. Foi preso em abril de 1970, sendo trocado dois meses depois pelo embaixador alemão. No pós-ditadura tornou-se militante do PT, sendo candidato a alguns cargos políticos.
João Lopes Salgado – Tinha 26 anos, sendo um dos que comandou a cobertura na operação que libertou o embaixador. Nunca foi preso, exilando-se no Chile em 1972, seguindo dali para o Panamá e para a França. Retornou após a Anistia, em 1980.
Fernando Gabeira – Tinha 28 anos, foi quem alugou a casa que serviu como cativeiro, levou mensagens do embaixador para a esposa e deixou em um supermercado, a lista com os quinze nomes dos presos políticos que deveriam ser trocados pelo embaixador. Foi atingindo por uma bala, sendo preso em janeiro de 1970. Foi trocado naquele mesmo ano pelo embaixador alemão. Retornou ao Brasil em 1979, iniciando uma promissora carreira de jornalista, escritor e político, sendo eleito para vários cargos.
Paulo de Tarso Venceslau – Tinha 25 anos, foi quem ao lado de Joaquim Câmara Ferreira, Virgílio Gomes da Silva e Cid Benjamin, preparou a ação em um apartamento em São Paulo. Foi quem rendeu o motorista do embaixador, e quem levou nomes de militantes de São Paulo para o Rio de Janeiro para que se compusesse a lista dos quinze prisioneiros. Foi preso no dia 1 de outubro de 1969, sendo torturado pela Oban. Ficou preso até 1974. No pós-ditadura, ocupou vários cargos políticos no Estado de São Paulo.

O Seqüestro de Nobuo Okushi

A Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), iniciou no começo de 1970, os treinamentos dos seus militantes para que pudessem atuar em uma guerrilha rural. Para os treinamentos, foi usada a área de Registro, em São Paulo. A operação foi abalada, quando no dia 27 de fevereiro daquele ano, um dos mais importantes militantes da VPR, Chizuo Ozava, conhecido como Mário Japa, que acabara de fazer o treinamento da guerrilha, sofreu um acidente de automóvel na Estrada das Lágrimas, em São João Clímaco, bairro paulistano. Ao ser socorrido pela polícia, foram encontradas no carro armas e documentos comprometedores, levando à prisão do acidentado.
A prisão de Mario Japa, que já tinha estado no campo de treino de Registro, deixou Carlos Lamarca e o comando da VPR apreensivos. Para que se preservasse o sigilo das operações de guerrilha, era necessário que Mario Japa fosse libertado imediatamente. A bem sucedida ação que envolvera o seqüestro do embaixador Charles Elbrick, desencadeada pela ALN e pelo MR-8, em setembro de 1969, foi a inspiração que os líderes da VPR encontraram para libertar Mario Japa, optando-se pelo seqüestro do cônsul japonês em São Paulo, Nobuo Okushi.
Para realizar a ação, a VPR viu-se obrigada a recorrer ao auxilio de outras organizações de esquerda. Assim, a VPR entrou em contacto com o Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT) e a Resistência Democrática (Rede). Juntas, as três organizações planejaram a ação.
O comando da ação foi assumido pelo integrante do comando nacional da VPR, Ladislas Dowbor , juntando-se a ele Eduardo Collen Leite, o Bacuri, organizador da Rede, que se tornaria notável por ter participado em dezenas de assaltos realizados pelos guerrilheiros; e, Devanir José de Carvalho, dirigente do MRT, conhecido como um dos cinco irmãos Metralha. Participaram ainda, como mentores de um plano feito às pressas, Liszt Benjamin Vieira, Mário de Freitas Gonçalves, Miguel Varoni, Alcery Maria Gomes Silva e Joelson Crispim, da VPR; Plínio Petersen Pereira e José Rodrigues Ângelo Junior, do MRT.
A ação aconteceu no dia 11 de março de 1970. No fim da tarde, após terminar o trabalho no consulado, Nobuo Okushi dirigia-se para a sua casa, na Rua do Piauí, em Higienópolis, bairro nobre de São Paulo. Às 18h20 o automóvel do cônsul japonês, um Oldsmobile, dirigido por Hideaki Doi, teve que parar bruscamente para que não batesse em um Fusca azul, que se interpôs à frente, na altura da Rua Bahia. Hideaki ainda reclamou da má condução do motorista do Fusca, sem se aperceber que ele empunhava uma metralhadora ao sair do carro.
Marco Antonio Lima Dourado foi o militante que empunhando a metralhadora, ameaçou Hideaki. Plínio Peterson Pereira auxiliou Liszt Benjamin Vieira a retirar o cônsul do carro diplomático, conduzindo-o para um Fusca vermelho, que se encontrava estacionado na Rua Alagoas. A segurança era feita pelos militantes Mário Freitas Gonçalves e Oswaldo Soares, que interrompiam o trânsito ao longo da Rua Bahia.
Nobuo Okushi foi posto no banco traseiro do fusca, tendo os olhos vendados por esparadrapo, sendo obrigado a pôr a cabeça sobre os joelhos de Liszt. Bacuri era o motorista do carro, que trazia Ladislas no banco de passageiro. O cônsul foi levado para a Avenida Ceci, 1216, no Bairro de Indianópolis. O cativeiro era um aparelho no qual habitava Bacuri e a sua companheira Denise Peres Crispim. Ali, Bacuri, Denise, Ladislas e Liszt vigiariam o cônsul até o dia da sua libertação.
No dia seguinte, 12 de março, os jornais publicavam o seqüestro e as exigências dos seqüestradores, que consistia na libertação de cinco presos políticos e a obtenção de asilo político no México. A imprensa estampava ainda, a fotografia do militante José Raimundo da Costa, apontando-o como um dos possíveis seqüestradores, fazendo com que ele fosse substituído na missão pelo militante da Rede, Fernando Kolleritz.
Os comunicados dos seqüestradores exigiam o fim das atividades de busca ao seqüestrado, ameaçando dinamitar o cativeiro com o cônsul dentro, e a suspensão da violência usada contra os presos políticos. Assinava aos comunicados o Comando Lucena da VPR, uma alusão a Antônio Raimundo de Lucena, militante morto a tiros por militares, em frente da mulher e dos filhos, em Atibaia, dias antes.
A lista com os nomes dos cinco presos políticos que deveriam ser libertados e exilados, foi divulgada no quarto comunicado, trazia o nome de Damaris Lucena, esposa de Antônio Lucena, e dos seus três filhos menores. Os outros quatro eram: Otávio Ângelo, dirigente da ALN; madre Maurina Borges da Silveira, religiosa torturada pelo delegado Fleury, presa por ter cedido uma sala para que os estudantes militantes da FALN de Ribeirão Preto fizessem uma reunião; Diógenes Carvalho de Oliveira, militante da VPR e, finalmente, Chizuo Ozava, o principal e verdadeiro motivo da operação.
Libertados e transportados com segurança para o México, os presos políticos deram uma nova derrota ao regime militar. No fim da tarde do domingo, 15 de março, Ladislas levou Nobuo Okushi do cativeiro para o banco traseiro do Fusca vermelho. Bacuri e Denise queimaram todos os documentos, abandonando o local que servira de cativeiro, por motivos de segurança. Os três rodaram de carro algum tempo, quando tiveram a certeza de que não estavam a ser seguidos, deixaram o cônsul na Rua Arujá. Foi através de um táxi que Nobuo Okushi retornou para casa. Durante o tempo do cativeiro, os seqüestradores falaram com ele em inglês, visto que chegara recentemente ao Brasil e quase nada percebia da língua portuguesa.
Ao fim do seqüestro, já resgatado o cônsul japonês, a ditadura militar tornar-se-ia implacável na caça aos seqüestradores. Dos quinze participantes do seqüestro, oito foram presos: Liszt Benjamin Vieira, Ladislas Dowbor, Marco Antonio Lima Dourado, Miguel Varoni, Oswaldo Soares, Mario de Freitas Gonçalves, José Rodrigues Ângelo Júnior e Fernando Kolleritz. Cinco morreram em combate: Devanir José de Carvalho, José Raimundo da Costa, Alcery Maria Gomes da Silva, Joelson Crispim e Eduardo Collen Leite. Denise Peres Crispim, da Rede, e Plínio Petersen Pereira, do MRT, nunca foram presos.

O Seqüestro do Embaixador da Alemanha

Se os dois primeiros seqüestros foram bem sucedidos, também a reação da ditadura militar não ficou atrás. A perseguição aos guerrilheiros tornou-se intensa, e as sessões de torturas e mortes atingiram uma sofisticação jamais vista na história do país. No dia 18 de abril de 1970, os órgãos de segurança efetuaram uma ação que levou à prisão de Maria do Carmo Brito, membro do comando nacional da VPR. A prisão levou à descoberta do seu aparelho na Avenida Visconde de Albuquerque, na Gávea, Rio de Janeiro. Nele foram encontrados documentos que mostravam um minucioso plano para o seqüestro do embaixador da Alemanha. Também faziam parte dos documentos as primeiras letras dos codinomes dos principais participantes da ação, sendo eles: Juarez Guimarães de Brito, Alex Polari de Alverga, Joaquim Pires Cerveira, Roberto das Chagas e Silva, José Ronaldo Tavares de Lira e Silva e a própria Maria do Carmo Brito. Dos seis nomes encontrados, três estavam presos, Maria do Carmo, José Ronaldo e Joaquim Pires Cerveira; e um tinha sido morto, Juarez Guimarães de Brito; apenas dois militantes ainda permaneciam soltos, sem serem identificados, Alex Polari e Roberto das Chagas.
Firme em prosseguir com as atividades de propaganda e ações da luta armada, o seqüestro a diplomatas fazia parte dos planos e levantamentos feitos pelas organizações de esquerda durante todo o ano de 1970. A VPR levantou a possibilidade de seqüestros aos embaixadores dos Estados Unidos, do Japão, da Suécia e, em conjunto com a Frente de Libertação Nacional (FLN), de Joaquim Pires Cerveira, do embaixador da Alemanha.
Mas o regime militar mantinha os seus órgãos de segurança em plena atividade, na intenção de evitar outros seqüestros que pudessem deixar a diplomacia do país em situações delicadas. Assim, ainda no primeiro semestre de 1970, as suas ações levaram à prisão de um grande número de militantes. Membros da VPR foram os que mais caíram ante a repressão, enchendo os cárceres das prisões. O seu grande líder, Carlos Lamarca foi acossado nas matas do Vale da Ribeira, podendo cair a qualquer momento.
Diante das prisões, torturas e mortes de militantes, era preciso que se desse um último fôlego, e que se fizesse grandes ações que chamassem a atenção do país e alcançassem repercussão ante a comunidade internacional. Foi criada a Unidade de Comando Juarez Guimarães de Brito (UC/JGB), homenagem ao militante morto em combate, retomando os planos dos seqüestros. O principal alvo era o embaixador dos Estados Unidos, mas que se tornou inviável, visto que a segurança dos norte-americanos tornou-se impenetrável após o seqüestro de Charles Elbrick, em 1969 e a uma fracassada tentativa ao cônsul dos Estados Unidos em Porto Alegre, em abril de 1970. A alternativa foi o cônsul da Suécia, mas a constante mudança de itinerário do seu veículo exigia uma grande logística militar na ação, tornando-a difícil de ser realizada. Ficou decidido que o seqüestro seria ao embaixador do Japão. A ação foi abortada no dia e no momento da sua execução, que foi surpreendida pela presença ocasional de um camburão policial. Por fim, decidiu-se pelo seqüestro do embaixador da Alemanha, Ehrenfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben, de 61 anos.

Executado o Seqüestro de Von Holleben

A direção do planejamento do seqüestro de Von Holleben ficou, inicialmente, com Alex Polari de Alverga, com a colaboração de Lúcia Mauricio de Alverga, Júlio César Câmara Covello Neto e Vera Lúcia Thimóteo. Para a execução da ação, foram utilizados quatro carros roubados, dois Fuscas vermelho e grená, uma Rural Willys e um Opala azul. Como cativeiro, foi alugada uma casa na Rua Juvêncio de Menezes, número 535, em Cordovil. Os militantes Gerson Theodoro de Oliveira e Tereza Ângelo, disfarçados como um casal, foram quem alugaram a casa.
Desta vez as cadeias estavam cheias de militantes presos, muitos sucumbindo à tortura. Era preciso que se elaborasse uma lista extensa e de grande representatividade. Aquele seqüestro representaria a salvação de muitos companheiros, condenados às atrocidades letais do cárcere. No início de junho, aconteceu uma reunião em São Paulo, entre as principais lideranças das organizações que promoviam a luta armada no Brasil. Dela fizeram parte Carlos Lamarca, Joaquim Câmara Ferreira da ALN, e Devanir José de Carvalho, do MRT. Entre as decisões acertadas, ficou estabelecida a lista de quarenta prisioneiros que seriam trocados pelo embaixador. Seria a lista mais longa até então. Os seqüestradores receberam como reforço, mais dois militantes da ALN, José Milton Barbosa e Eduardo Collen Leite, o Bacuri, que ficou designado para comandar a ação.
No dia 11 de junho de 1970, no arroubo da Copa do Mundo de Futebol, realizada no México, e que faria o Brasil tricampeão mundial, deflagrou-se a ação de seqüestro ao embaixador alemão. Às 19h40 Von Holleben deixou a embaixada, que ficava no bairro das Laranjeiras, no Rio de Janeiro, rumo à sua residência, em Santa Tereza. O embaixador seguia em uma Mercedes preta, conduzida pelo motorista Marinho Huttl, tendo ainda, a segurança de um agente da polícia federal, Irlando de Souza Régis, que sentava no banco do passageiro, portando uma arma. A Mercedes era seguida por uma Variant, que trazia dois agentes da polícia federal, Luiz Antonio Sampaio, e José Banharo da Silva, que complementavam a segurança do embaixador.
Às 19h55, foi executada a ação de seqüestro no Bairro de Santa Tereza, na confluência da Rua Cândido Mendes com a Ladeira do Fialho, próximo à casa do embaixador. Nesta altura, José Maurício Gradel avançou a Rural Willys impetuosamente contra a Mercedes diplomática. Simultaneamente, Sonia Eliane Lafoz e José Milton Barbosa, que se faziam passar por um casal de namorados, dispararam rajadas de metralhadora contra a Variant da segurança, ferindo os agentes Luiz Antonio, no abdômen, e, Banharo, na cabeça. O agente que fazia a segurança dentro do carro diplomático, Irlando de Souza Régis, ainda tentou sacar de uma arma, mas foi abatido por três tiros a queima-roupa, desferidos por Bacuri, sendo que o que lhe atingiu a cabeça foi fatal.
O embaixador alemão foi tirado do carro diplomático por Herbert Eustáquio de Carvalho, que empunhando uma pistola 45, obrigou-o a entrar no Opala azul, dirigido por José Roberto Gonçalves de Rezende. Três carros seguiram em fila indiana, levando no meio, no Opala azul, o embaixador alemão. O seqüestro estava consumado, em menos de quatro minutos, sendo o mais violento dos três, deixando, pela primeira vez, um morto e dois feridos.
Após o encarceramento do embaixador, Bacuri datilografou um comunicado, fazendo diversas exigências às autoridades do governo. Exigia que o comunicado fosse lido na Rádio Nacional, e que ali, fosse divulgada a lista com os quarenta nomes de presos que deveriam ser libertados. Na lista contavam vinte militantes da VPR: Almir Dutton Ferreira, Altair Luchesi Campos, Carlos Minc Baumfeld, Darcy Rodrigues, Dulce de Souza Maia, Edmauro Gopfert, Eudaldo Gomes da Silva, Flávio Roberto de Souza, Ieda dos Reis Chaves, José Araújo de Nóbrega, José Lavecchia, José Ronaldo Tavares de Lira e Silva, Ladislas Dowbor, Liszt Benjamin Vieira, Maria do Carmo Brito, Melcides Porcino da Costa, Oswaldo Antonio dos Santos, Oswaldo Soares, Pedro Lobo de Oliveira e Tercina Dias de Oliveira; os outros vinte faziam parte de várias organizações, sendo eles: Aderval Alves Coqueiro, Ângelo Pezzutti da Silva, Apolônio de Carvalho, Carlos Eduardo Fayal de Lira, Carlos Eduardo Pires Fleury, Cid de Queiroz Benjamin, Daniel Aarão Reis, Domingos Fernandes, Fausto Machado Freire, Fernando Paulo Nagle Gabeira, Jeová Assis Gomes, Joaquim Pires Cerveira, Jorge Raimundo Nahas, Marco Antonio Azevedo Meyer, Maria José Carvalho Nahas, Maurício Vieira Paiva, Murilo Pinto da Silva, Ronaldo Dutra Machado, Tânia Rodrigues Fernandes e Vera Sílvia Araújo Magalhães. Curiosamente, foi a primeira lista que constava o nome de militantes que participaram dos seqüestros anteriores de Charles Elbrick e Nobuo Okushi. Os presos foram banidos do país, enviados em um avião da Varig para o exílio na Argélia.
O seqüestro de Von Holleben durou cinco dias. Conta-se que o embaixador foi recebido gentilmente pelo militante Alfredo Sirkis, com chá e salgadinhos, que conversava com ele em inglês, explicando-lhe o lado romântico e ideológico do seqüestro, só não lhe revelando a morte do segurança nas costas. Sirkis conta que, Bacuri entrou uma vez no quarto sem capuz, sendo repreendido por um irritado Von Holleben, que protestou: “Nada de rostos, por favor!”. Esta exigência pouparia o embaixador da ingrata tarefa de fazer reconhecimentos mais tarde. Conta ainda que, na despedida, o embaixador teria observado: “Pensei que vocês fossem mais organizados!”. Von Holleben foi libertado já altas horas da noite do dia 16 de junho, sendo deixado na Tijuca, às 23h00. Levava no bolso do casaco um documento relatando torturas, que se dispusera com prazer, a divulgar na Europa. O embaixador nada falou no depoimento que deu à policia sobre as conversas com Sirkis, evitando que fosse identificado, muito menos do documento que trouxera consigo. Holleben, paradoxalmente, tornou-se um simpatizante da causa dos guerrilheiros.

O Seqüestro de Giovanni Enrico Burcher

O ano de 1970 foi um dos mais sangrentos vividos pela militância que se opunha à ditadura militar. Apesar do sucesso que foram as operações que envolveram os seqüestros de três diplomatas, dando visibilidade internacional à situação política do país, os órgãos de repressão do governo estavam cada vez mais sofisticados e eficazes. No fim daquele ano, mais de quinhentos presos políticos abarrotavam as masmorras da ditadura.
Apesar das baixas sofridas, das prisões, torturas e perseguições, as organizações que promoviam a luta armada, chegaram aos últimos meses de 1970 com uma euforia latente, movida mais pela força ideológica do que por uma política visionária. Cinco organizações faziam uma frente acirrada contra a ditadura militar, valendo-se da fúria da luta armada para que vingasse os planos revolucionários de esquerda. Eram elas a Ação Libertadora Nacional (ALN), a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), o Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8), o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR) e o Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT). Estas organizações seriam praticamente eliminadas, de forma violenta e brutal, pela repressão da ditadura, não sobrevivendo muito mais tempo. Mesmo assim, chegaram ao fim de 1970 com a euforia de praticar grandes ações na semana que se iria completar um ano do assassínio de Carlos Marighella, principal liderança da luta armada, acontecido em 4 de novembro de 1969. O nome de Marighella servia de incentivo aos incansáveis guerrilheiros. No meio das ações que conclamariam as homenagens a Marighella, estava nos planos da VPR o seqüestro do embaixador da Suíça, Giovanni Enrico Bucher.
Mortes de lideranças continuavam a acontecer. Em 23 de outubro, caía o maior líder da ALN, Joaquim Câmara Ferreira. Prisões sucessivas atingiram o PCBR e vários líderes das outras organizações, acossando a resistência da frente armada. Pelo menos três seqüestros seriam necessários para que se pudesse libertar cerca de duzentos presos.
O embaixador suíço, Giovanni Enrico Bucher era conhecido no meio diplomático por seu bom humor, pelo hábito singular de preparar cigarros com sofisticadas misturas de fumos ingleses. Seguia pontualmente, todos os dias, para a embaixada, sem carros de segurança, desprezando as recomendações da polícia federal. Sua rotina seria mudada drasticamente pela guerrilha armada.
No dia 7 de dezembro de 1970, sob o comando do militante da VPR Gerson Theodoro de Oliveira, foi desencadeado o seqüestro ao embaixador. Bucher dirigia-se para a embaixada em um Buick azul, conduzido pelo motorista Hercílio Geraldo e escoltado pelo agente da polícia federal, Hélio Carvalho de Araújo.
O carro diplomático foi interceptado pelos seqüestradores, entre eles o mítico Carlos Lamarca, que trazia cavanhaque para disfarçar o rosto. Lamarca bateu no vidro da janela do agente de segurança, abrindo a porta e desferindo-lhe dois tiros, tendo um deles atingindo a medula do agente, que morreria no hospital Miguel Couto, três dias depois. O motorista Hercílio Geraldo foi rendido, sendo obrigado a deitar-se na calçada. O embaixador foi retirado do Buick, e levado para o Fusca azul. Bucher foi disfarçado com um macacão operário e boné na cabeça. A ação durou pouco mais de 30 segundos, e mais uma vez, deixou um morto.
O embaixador suíço, então com 56 anos, foi levado para uma casa da Rua Paracatu, em Rocha Miranda. As negociações foram as mais longas de todos os seqüestros e envolveram a libertação de setenta presos políticos. Neste período, os militantes promoveram uma política de boa vizinhança, chegando a dar uma festa ao som de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, na passagem do ano de 1970 para 1971, com o seqüestrado preso em um pequeno quarto dos fundos.
Nos quarenta dias que decorreram entre o seqüestro e a libertação, Burcher jogou cartas com os seqüestradores, teve direito a banho de sol no quintal. No inicio foi recebido de capuz pelos carcereiros, uma semana depois, os cinco militantes que o mantinham no cativeiro apresentaram-se de rostos descobertos. Burcher não quis reconhecer os algozes mais tarde diante da polícia, dizendo que eles tinham ficado o tempo todo de capuzes.
O longo período de negociações entre os seqüestradores e o governo, gerou uma certa tensão, em que se foi discutido inclusive a morte do embaixador, caso não se chegasse a um consenso. A morte de Bucher chegou a ser votada pelos militantes, que recuaram dias antes do natal. Só no dia 13 de janeiro de 1971, após várias negociações dos nomes dos prisioneiros que deveriam ser libertados, setenta presos foram escoltados por agentes federais, sendo embarcados em um Boeing da Varig, rumo ao exílio em Santiago do Chile.
Os setenta presos políticos banidos para o Chile foram: Afonso Celso Lana Leite, Afonso Junqueira de Alvarenga, Aluísio Ferreira Palmar, Antonio Expedito Carvalho Pereira, Antonio Rogério Garcia da Silveira, Antonio Ubaldino Pereira, Aristenes Nogueira de Almeida, Armando Augusto Vargas Dias, Bruno Dauster Magalhães e Silva, Bruno Piola, Carlos Bernardo Vainer, Carmela Pezzuti, Christóvão da Silva Ribeiro, Conceição Imaculada de Oliveira, Daniel José de Carvalho, Derci Fensterseifer, Derly José de Carvalho, Edmur Péricles Camargo, Elinor Mendes Brito, Encarnación Lopes Peres, Francisco Roberval Mendes, Geny Cecília Piola (casada com Bruno, levou suas três filhas menores, Tatiana, Kátia e Bruna), Gustavo Buarque Schiller, Humberto Trigueiros Lima, Irani Campos, Ismael Antônio de Souza, Jaime Walwitz Cardoso, Jairo José de Carvalho, Jean Marc Friedrich Charles Van der Weid, João Batista Rita, João Carlos Bona Garcia, Joel José de Carvalho, José Duarte dos Santos, Jovelina Tonello do Nascimento, Julio Antonio Bittencourt de Almeida, Lúcio Flávio Uchoa Regueira, Luiz Alberto Leite Sanz, Manoel Dias do Nascimento, Mara Curtiss de Alvarenga, Marco Antonio Maranhão da Costa, Maria Auxiliadora Lara Barcelos, Maria Nazareth Cunha da Rocha, Nancy Mangabeira Unger, Nelson Chaves dos Santos, Otacílio Pereira da Silva, Paulo Roberto Alves, Paulo Roberto Telles Franck, Pedro Alves Filho, Pedro Chaves dos Santos, Pedro Viegas, Pedro Paulo Bretãs, Rafael de Falco Neto, Reinaldo Guarany Simões, Reinaldo José de Melo, René Louis Laugery de Carvalho, Roberto Antônio de Fortini, Roberto Cardoso Ferraz do Amaral, Roque Aparecido da Silva, Samuel Aarão Reis, Sonia Regina Yessin Ramos, Takao Amano, Tito de Alencar Lima, Ubiratan de Souza, Ubiratan Vatutin Herzcher Borges, Valneri Neves Antunes, Vera Maria Rocha Pereira, Wânio José de Matos, Washington Alves da Silva, Wellington Moreira Diniz e Wilson Nascimento Barbosa.Na manhã do dia 16 de janeiro de 1971, Bucher foi deixado próximo ao penhasco da igreja da Penha. Encerrava-se o ciclo de seqüestros a diplomatas realizados pelas organizações da esquerda durante o período da ditadura. Encerrava-se um conturbado e complexo momento da história do Brasil. Os seqüestros permitiram a libertação de cerca de 130 importantes presos políticos, que viviam sob tortura e risco de vida diante de um governo repressivo e ilegítimo, instaurado sob tanques de guerra e canhões, em 1964.

5 comentários:

Fernanda disse...

Muito completo o seu relato, sempre procuro os sites para pesquisa e o seu está ótimo...

PATICIPE! disse...

Realmente você está de parabéns. Contudo, naquele ano de 1968, as coisas estavem bem agitadas em Natal-RN.
Memórias de um estudante do admissão ao ginásio, daquela época: eu tinha 13 anos de idade, estudava na Escola "Severino David", da RFFSA, que ficava no bairro da Ribeira, ao lado do Escritório Central da RFFSA. Certa noite, sabendo dos movimentos dos estudantes universitários, com grande curiosidade, eu e meu colega de escola Joaquim, resolvemos ir até o centro da cidade (Natal-RN), para vermos como era a ação dos estudantes, e sentir o movimento que éramos totalmente favoráveis de perto. Já passava das 21 horas, o centro da cidade estava todo cercado por militares das três armas e da polícia militar. Havia muitos grupos de estudantes; os estudantes atiravam coquitéis molotov nas fileiras militares, nos tanques, nas viaturas policiais, Quebravam vitrines de lojas e incendiavam. Quando resolvemos ir embora para casa. Neste momento, à nossa frente caminhavam seis militares, em linha, quando alguem atirou algum objeto sobre eles, e, eles olharam para trás e não sabendo quem o fez, escalaram-nos como os culpados. Aí iniciou-se uma perseguissão e correria. Em um certo momento eu não vi mais o meu amigo Joaquim. Os militares me cercaram e me prenderam. Comecei a apanhar alí mesmo. Fiquei preso por 10 dias. Fui torturado física e psicologicamente desde que me prenderam, na rua, no camburão na cela da delegacia de menosres do bairro do Alecrim. Só depois de dar dezenas de voltas em toda a cidade encarceraram-me. Não há registro deste fato, mas tenho testemunhas, minha mãe, Maria Teixeira, que conseguiu me localizr, outros familiares e o meu amigo Joaquim, bem como pessoas da escola onde estudava.
Eu, hoje passados 42 anos, não vi ninguem falar sobre essas arbitrariedades cometidas contra menores de idade daquela época. Fui humilhado, torturado psicologicamente-Diziam a toda hora:"seu caso está complicado", "acho que você vai ter problemas", "não sei se vai sair vivo dessa". Também fisicamente: Tapões, chutes, duas submetralhadoras nas costelas, interrogatórios e também tratamento desumano: não servir água nem alimento ao preso (eu comia quando aogum preso recebia quentinha e dividia comigo), não me deixar dar um telefonema para a família, não me deixar ir ao banheiro, não me deixar fazer higiene (banho, escovação de dentes, banho de sol) não registrar a ocorrência. Depos de 10 dias passados, vi a minha mãe que chorava desesperadamente. Após essa única visita, fui levado ao QG da Polícia Militar, quando fui entregue para a minha mãe. Ao fundo de uma grande mesa, com militares de um lado e de outro, o comandante perguntou-me o que eu havia feito, repondi-lhe que nada. Ele me aconselhou a não sair de casa naqueles dias e que eu podia ir embora, e disse, dessa vez passa. Fui um preso político anônimo, pois não participava de quaisquer organizações, mas tinha apenas a convicção de que a ditadura militar estava errada, precisava ser combatida. Aí, então fui estudar o que estava acontecento de fato no Brasil. Hoje eu digo: a minha intuição estava correta e tinha muito fundamento.
Obrigado
Prof. Otoniel de Lima

Paco disse...

Gostaria de apontar um equívoco: o nome de um dos presos políticos que foram trocados no sequestro do embaixador americano em 1969 é Osvaldo Pacheco da Silva e não Agnaldo Pacheco da Silva.

Unknown disse...

Prof. Otoniel,
Presos políticos anônomos somos aos milhares - creio eu! Quem era da direção dos grêmios estudantis / centros acadêmicos, se não levou uns choques & afins, foi por sorte!
Em Minas Gerais, foi onde a chapa mais esquentou - sem que pouco se saiba até hoje.
Infelizmente, hoje, percebo que nossa luta por uma nação justa restou em vão.
Dois estalos de dedos (que talvez você não saiba o significado).
Luiz De Miranda, Prof.

PS: será a Comissão da Verdade ... de verdades??

celia coqueiro disse...

Argonauta Pacheco da Silva